Inumeráveis publica homenagem da família à Emídio Vasconcelos

Participe de nosso grupo no Whatsapp:
CLIQUE AQUI
Participe do nosso Instagram: CLIQUE AQUI
Participe do nosso Instagram 2: CLIQUE AQUI
Participe da nossa página no Facebook: CLIQUE AQUI

O site, Inumeráveis, é um Memorial dedicado à história de cada uma das vítimas do coronavírus no Brasil.

O afogadense Emídio Vasconcelos, vitima da Covid-19, no dia 22 de junho, ganhou a sua homenagem no site através de sua família. Confia abaixo:

Emídio Leite de Vasconcelos
1966 - 2020

De chinelo de couro e bermuda folgada, guerreava à sua moda.

Emídio gostava de repetir o seguinte aforismo: "Feliz o homem que abraça uma visão de futuro e, com destemor, entusiasmo e perseverança, edifica no presente a imagem sonhada". É o que conta Maria do Socorro, sua irmã.

O galego de olhos azuis e jeito matuto nunca perdeu as origens do sertão, mesmo após ter superado todas as dificuldades da vida e conquistado vários sonhos. E havia um que era especial: o de retornar à sua Afogados da Ingazeira natal para morar em sua própria chácara. "Esse sonho durou pouco, mas tenho certeza que ele estava bastante feliz", conta o filho caçula, Lucas.

Dono de um "coração gigante", onde sempre tinha espaço para mais um, Emídio dizia desde cedo que "quando casasse não ia construir uma família porque já tinha, ia, sim, aumentá-la", conta Maria do Socorro. E assim, genuinamente aumentou a sua família.

Viveu 32 anos de tamanha cumplicidade com sua esposa Selene, que reflete sobre sua partida brusca: "Hoje, não preciso dizer-te, pois falei quando tu podias me ouvir, não calei quando tu precisavas ouvir. Hoje, não preciso dizer-te. Te vejo partir e permaneço em silêncio. Sinto-me em paz. A vida em nossa história fala. É sobre amor".

Emídio amou e também batalhou. Era um guerreiro, mas diferente, como relata sua primogênita, Marina: "Não era daquele cheio de frufru, nem fardado ou treinado. Era um guerreiro daquele turrão, duro, que nem armadura tem. Que vai na frente, vai no berro, e consegue qualquer coisa. Não por ter superpoderes, mas por saber conquistar sonhos e metas. Não importa quantas portas se fechassem, ele ia lá e entrava pela janela".

A filha fala, também, de como o pai revestia toda essa força e coragem com a mais pura simplicidade: de chinelo de couro e bermuda folgada.

E, assim, Emídio partiu. Deixou seus ensinamentos, seus traços e muita saudade. Levou as palavras de sua amada e o orgulho de seus filhos. Feliz o homem.

Emídio nasceu em Afogados da Ingazeira (PE) e faleceu em Caruaru (PE), aos 54 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela esposa, irmã e filhos de Emídio, Selene Cordeiro Vasconcelos, Maria do Socorro Leite de Vasconcelos, Lucas e Marina Cordeiro Vasconcelos. Este tributo foi apurado por Janaina Dias, editado por Rosimeire Seixas, revisado por Gabriela Carneiro e moderado por Rayane Urani em 18 de agosto de 2020.

Postar um comentário

0 Comentários