Pandemia deixa cidades de Pernambuco sem tradicionais festas de São João

Na música Olha Pro Céu, gravada em 1951, o pernambucano Luiz Gonzaga eternizou as festas juninas – tradição no Nordeste – cantando sobre os balões, o baião, o xote e dizendo que até o céu entra em festa na noite de São João. Em 2020, pela primeira vez, essa festividade não será realizada em função do distanciamento social, recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como forma mais eficaz de reduzir a transmissão do novo coronavírus. Até a última quinta-feira, 18, foram confirmados 48.626 casos da covid-19 em Pernambuco, dentre os quais 4.057 foram a óbito.

Nascida no estado de São Paulo, a professora Cristina de Lelis, de 40 anos, vive desde os três anos de idade na cidade de Caruaru, conhecida como Capital do Forró, no Agreste pernambucano. Há mais de 30 anos, ela sempre aguarda a chegada do São João e vive a festa com intensidade. 

“Estamos órfãos desse festejo aqui em Caruaru porque não se resume só ao dia 24, a festa começaria em 30 de maio e iria até o último final de semana de junho. Teríamos festa quase todos os dias, em vários lugares da cidade. É um ritual que a gente espera o ano inteiro. Concordo que não acontecer neste ano foi a decisão mais acertada, mas estou bem triste de não poder estar vivendo esta tradição fora de casa”, afirma.

De acordo com a secretaria de saúde de Caruaru, o município tem 1.396 casos confirmados da Covid-19, dentre os quais 100 foram a óbito. Além desses, foram registrados 8.758 casos de síndrome gripal, dos quais 1.452 estão em isolamento domiciliar. 90% dos leitos (73) dos sistema público de saúde de Caruaru estão ocupados.

Em função desse quadro, a cidade adotou um funcionamento de distanciamento social, seguindo as recomendações estaduais, para evitar aglomerações. Por isso, esta será a primeira vez em 40 anos que a festa pública do São João não será realizada no município. 

Segundo o presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru, Rubens Júnior, a administração pública tentou realizar a festa em formatos menos tradicionais, com shows online, mas não foi possível por falta de recursos. 

“O São João é a nossa vitrine cultural, porém esse ano toda a atenção do nosso governo foi voltada à preservação das vidas. Estamos seguindo as recomendações de isolamento e o decreto do governo estadual. Sabemos o quanto isso impacta em nossa economia, mas a população de Arcoverde entendeu que o momento é de cuidados com a saúde e aceitou com muito respeito e atenção o cancelamento do evento. Confiamos que tudo isso vai passar e logo retomamos nossa movimentação, com a nossa cidade em ordem e as pessoas livres dessa pandemia”, afirmou a prefeita de Arcoverde, Madalena Britto. 

De acordo com a prefeitura, a edição de 2019 do São João de Arcoverde, realizada entre os dias 21 de maio e 19 de junho, contou com 540 mil pessoas circulando pelos polos artísticos e culturais da cidade e injetou 30 milhões na economia local. Em 2020, será realizado o São João em Casa, com duas lives solidárias compostas por artistas do município nos dias 23 e 24. A iniciativa tem o apoio do Sesc e de uma TV local. 

“O incentivo à cultura com apoio a lives de artistas locais é uma forma de minimizar o impacto econômico no setor, além de manter a tradição junina de forma solidária”, explica o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-PE, Bernardo Peixoto. De acordo com levantamento da Fecomércio, 53% dos pernambucanos pretendem comemorar os festejos juninos em 2020, a maioria de forma diferente dos últimos anos, com shows online. 

No Recife e em Olinda, as festas juninas de rua são menores, mas a tradição não. Lucidalva Barbosa, 56, mora no bairro de Rio Doce, em Olinda, com três irmãos, dois deles com mais de 60 anos, e está fazendo o que pode para manter a tradição da família. 

“Está proibido fazer fogueira neste ano por causa do coronavírus. Esta é a primeira vez, em muitos anos, que não vamos acender a nossa. Aqui em casa é tradição, minha mãe já fazia. Antes dela morrer, ela dizia para a gente dar continuidade. Ela era devota de São João Batista. Eu tenho até um quadro dele. E por causa dessa doença [a covid-19], não vai ter quadrilha, não vai ter fogueira, fogos [de artifício], mas vai ter canjica, pamonha, milho. Já coloquei as bandeiras e os balões em casa. O que der para fazer, a gente faz, liga um sonzinho para ouvir um arrasta-pé”, afirma. 

“Eu fico triste, todo o mundo fica, porque a animação da gente é ver as labaredas pegando fogo, aquela quenturinha, o fogaréu aceso e bonito na rua, as crianças correndo e brincando. Fico com saudade, mas coloco nas mãos de deus, porque a saúde é mais importante. Quando aparecer uma vacina vai ser melhor”, finaliza Lucidalva. (UOL)

Postar um comentário

0 Comentários