Coluna O Linguarudo - Não Vou Mentir Para Agradar (30/05/2020)

Falta coordenação –
O governador Paulo Câmara autorizou a compra de milhares de cestas básicas para doar para os comerciantes informais etc em todo Estado. Só que está havendo um ruido na ponta, durante a entrega, em várias cidades sindicatos estão reclamando da forma que está sendo feita. Falta uma coordenação no processo! (Elielson)

Hediondo – O deputado estadual Romero Albuquerque (PP) deu entrada em uma indicação aos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, pedindo que o desvio de recursos públicos repassados para o combate à epidemias e pandemias seja considerado crime hediondo.

Caminho das pedras – Uma fonte garante que o que a PF colheu no Recife na operação na Secretaria de Saúde e na casa do secretário Jailson Correia é apenas a ponta do iceberg. O grande desafio será desvendar os R$ 191 milhões gastos na gestão dos hospitais de campanha. A segunda maior gastança, R$ 122 milhões, estaria no material hospitalar comprado, também sem licitação, para os hospitais que atendem pacientes com a Covid-19 e os de acampamentos, erguidos a todo de caixa pelo prefeito Geraldo Júlio. Em terceiro lugar, algo em torno de R$ 96 milhões, foi destinado, e precisam de investigação, na compra de equipamentos de proteção para os profissionais de saúde que atuam na rede de saúde do Recife. (Magno Martins)

General – O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou ao procurador-geral da República pedidos, de deputados da oposição, para o general Augusto Heleno, ministro do GSI, ser enquadrado na Lei de Segurança Nacional. Na semana passada, outro encaminhamento gerou uma crise institucional. Foi o pedido de deputados da oposição para apreender o celular de Jair Bolsonaro. O STF, em nota, se defendeu dizendo que sempre que a Corte recebe uma denúncia tem que fazer o encaminhamento, sem conteúdo decisório, para o procurador-geral da República. É o chefe do Ministério Público que decide se leva as denúncias à frente ou não.

Postar um comentário

0 Comentários