Toque de recolher divide opiniões em Tabira

Defendendo o Plano de Contingenciamento para o município de Tabira, o Promotor Publico Romero Borja reconhece que novas medidas precisam sem adotadas depois da confirmação do 1º óbito registrado na cidade. 

A primeira decisão de impacto foi a suspensão total da Feira Livre das quartas feiras que já vinha sofrendo alterações, mas mesmo assim as aglomerações se repetiram. 

Crítico do volume de pessoas nas praças da cidade no horário da noite, Dr. Romero disse ontem a Rádio Cidade FM que novas medidas precisam ser adotadas. “Constatamos que a população não está colaborando e precisamos agir. O MP sugere, como participante do Comitê de Enfrentamento ao Covid-19, Medidas de Limitações e não de Toque de Recolher, pois não gosto desta denominação. 

A Secretária Zeza Almeida escutada pelo Programa Cidade Alerta, também se mostrou favorável ao Toque de Recolher. 

A reportagem do Rádio Vivo ouviu outros integrantes do Comitê que discordam da medida. A primeira argumentação é que a municipalidade mesmo com apoio da PM não teria como efetuar a fiscalização em todo município. E por fim, um integrante que preferiu levar seu posicionamento para a reunião ordinária do grupo, informou que já no dia 23 de março/2020, o Procurador Geral de Justiça Francisco Dirceu Barros recomendou aos prefeitos que não emitam lei ou ato administrativo municipal que promova a restrição geral e irrestrita de acesso de pessoas e bens aos limites dos respectivos municípios, e caso assim seja efetivado, promovam sua imediata revogação. 

Tabira tem de acordo com boletim divulgado ontem no final da tarde, 01 caso em investigação; 01 descartado; 01 confirmado e 01 óbito. Por seu lado Afogados da Ingazeira segue sem alteração: nenhum caso em investigação; 02 descartados e nenhum confirmado. (Por Anchieta Santos)

Postar um comentário

0 Comentários