Coronavírus: com cemitério superlotado, Manaus enterra vítimas em valas comuns

22 abril Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


A Prefeitura de Manaus informou, nesta terça-feira, que está fazendo valas comuns, chamadas pela administração local de trincheiras, para enterrar vítimas do novo coronavírus no cemitério público Nossa Senhora Aparecida, no bairro Tarumã, Zona Oeste da capital. 

Até essa segunda-feira, Manaus já registrava 156 mortes por Covid-19. No estado, o número de casos confirmados chegou a 2.160, com 182 mortes no total.

Com mais de 100 mortes por dia na capital na última semana, o cemitério, que concentra a maior parte dos sepultamentos da cidade, já não dá conta da demanda. Segundo informações da prefeitura, desde março, houve um acréscimo de aproximadamente 50% na demanda. Dezenas de covas tiveram que ser abertas. 

Nesta terça-feira, a Prefeitura de Manaus informou, por meio de nota, que devido ao grande aumento no número de sepultamentos, a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) adotou o sistema de ‘trincheiras’ para enterrar as vítimas de Covid-19. 

"A metodologia, já utilizada em outros países, preserva a identidade dos corpos e os laços familiares, com o distanciamento entre os caixões e com a identificação das sepulturas. A medida foi necessária para atender a demanda de sepultamentos na capital", disse a nota. 

O presidente do Sindicato das Empresas Funerárias do Estado do Amazonas, Manuel Viana, confirma que o número de mortes diárias cresceu acima das expectativas e, por isso, a organização dos enterros escapou ao controle. 

"Antes do coronavírus, a média aqui era de 30 sepultamentos por dia. O setor funerário tinha feito uma projeção de que estaríamos em abril com algo em torno de 50 e poucos óbitos por dia. Mas só neste domingo morreram 122. Na terça da semana passada (dia 14) foram 102. Desde então, este número só cresceu".

Para encontrar soluções, Manaus criou um comitê de crise para óbitos formado por membros do setor funerário e das secretarias municipais da Mulher, Assistência Social e Cidadania e de Limpeza e Serviços Públicos, que iniciaram os debates na segunda. A primeira medida para tentar conter o caos no cemitério Tarumã é o aumento do número de funcionários. 

FRIGORÍFICOS.

Na segunda-feira, a Semulsp informou que instalou contêineres frigoríficos no cemitério para comportar caixões que aguardavam sepultamento. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram filas de carros de funerárias aguardam para sepultar corpos. 

A medida visa agilizar o serviço SOS Funeral, que, hoje, é o único disponível para população mais vulnerável de forma gratuita, para realizar o enterro das pessoas que não têm condições para arcar com as custas do sepultamento. 

"As câmaras estão sendo utilizadas para o armazenamento dos caixões, enquanto os familiares aguardam o momento do enterro, sem a necessidade do veículo do SOS Funeral ficar aguardando a liberação, já podendo retornar à base para novo chamado", diz nota da Semulsp. 

Contêineres frigoríficos também foram instalados, pelo Governo do Amazonas, em unidades hospitalares de Manaus, após a repercussão de um vídeo que mostrava corpos com suspeita de Covid-19 deixados ao lado de pacientes internados, no Hospital João Lúcio, Zona Leste. (Agência O Globo)

0 comentários:

Recent Comments