Março azul-Marinho: Mês de prevenção e conscientização sobre o câncer colorretal

No câncer colorretal, os tumores aparecem no cólon e no reto, partes do intestino grosso. O risco de uma pessoa desenvolver esse tipo de câncer durante a vida é de cerca de 5%, sendo que, aproximadamente, 70% dos tumores aparecem no cólon e 30% no reto.

A maioria dos tumores tem origem em pólipos, pequenas elevações na parede do cólon ou do reto. Essas elevações crescem lentamente, o que permite que sejam identificadas e retiradas, através da colonoscopia, um tipo de exame, antes de se tornarem tumores malignos.

Sinais e sintomas

Nos estágios iniciais, a doença, geralmente, não causa sinais e sintomas. Recomenda-se procurar seu(ua) médico(a), caso apresente um ou mais dos sintomas:

diarreia ou constipação;

sangramento ao evacuar;

anemia sem causa aparente;

desconforto abdominal, com gases e/ou cólicas;

sensação de intestino vazio;

vontade frequente de evacuar, mesmo com intestino vazio.

Prevenção

O câncer colorretal está relacionado a dietas não balanceadas, ricas em carnes vermelhas e processadas, e gorduras; sedentarismo; obesidade; tabagismo; e alcoolismo. Manter uma dieta balanceada e rica em frutas, verduras e vegetais pode diminuir o risco de desenvolvimento dos tumores. Atividades físicas auxiliam no controle do peso, principalmente entre os homens, que têm maior propensão para desenvolver esse tipo de câncer.

Tratamento

O tratamento das pessoas com tumores em estágios iniciais é menos agressivo e consiste na retirada do pólipo e das lesões, através de colonoscopia ou pequenas cirurgias com ressecções locais dos tumores. Em casos específicos, recomenda-se sessões de quimioterapia complementares (coadjuvantes). Quanto mais avançado o estágio do câncer, mais agressivo deve ser o tratamento, podendo ser necessárias radioterapia e quimioterapia, mesmo antes de procedimentos cirúrgicos.

Postar um comentário

0 Comentários