Mulher é dada como morta após parto e quase enterrada viva

27 janeiro Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


Por pouco, uma mulher não foi enterrada viva no município de Tutóia, a 322 quilômetros da capital. A jovem Ivale Vilal, residente no Bairro Porto da Areia, na periferia da cidade, entrou em trabalho de parto e foi levada pelos seus familiares para o Hospital Municipal Lucas Veras. Ali, como o seu estado exigia maiores cuidados, os médicos optaram por submetê-la a uma cirurgia cesariana.

Após a o parto da criança, que passa bem, Ivale Vilal não recobrou os sentidos em face o efeito da anestesia que recebera e foi dada como morta, tendo o seu cadáver sido entregue à família para o velório.

Na manhã da última quinta-feira, 23, uma irmã da mulher dada como morta, se aproximou do caixão e pediu perdão à mesma, visto que dias atrás tinham mantido uma acirrada discussão por motivo banal. Então observou que Ivale estava suando e que dos seus olhos corriam lágrimas.

Momentos depois, ela comentou que havia observado que a irmã, que estaria morta, estava suando e chorando. Outros familiares foram verificar e notaram que o corpo mantinha temperatura normal. Uma equipe do Hospital Municipal foi acionada e compareceu à casa onde se realizava o velório, transferindo Ivale Vilal para a casa de saúde, onde a referida, faleceu de verdade.

O caso chegou ao conhecimento da Polícia Civil, e o delegado regional de Barreirinhas, Cristiano Morita, determinou diligências para apurar as circunstâncias do fato e a transferência do corpo de Ivale Vilal para o Instituto Médico Legal, em São Luís, para o exame cadavérico que irá esclarecer a verdadeira causa da morte daquela mulher.

Na próxima segunda-feira, 27, será instaurado inquérito na Delegacia de Polícia de Tutóia, quando serão tomados depoimentos dos parentes da vítima e da equipe médica que a atendeu no Hospital Lucas veras. (O Imparcial)

0 comentários:

Recent Comments