Plenário do STF decide manter Lula preso em Curitiba

Os ministros do Supremo Tribunal Federal analisaram nesta quarta-feira (7) a petição 8312, pedido impetrado pela defesa do ex-presidente Lula para impedir a transferência para o presídio de Tremembé. 

Por 10 votos a 1, a Corte decidiu suspender a transferência do ex-presidente e mantê-lo em sala de estado maior (cela especial), mas negou liberdade imediata a Lula. Com a decisão, Lula será mantido na sala que ocupa na Superintendência da PF em Curitiba desde abril de 2018. 

Votaram por suspender a transferência e contra a liberdade os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Luiz Fux, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli. Votou contra o ministro Marco Aurélio Mello. 

O pedido foi inicialmente encaminhado ao ministro Gilmar Mendes, que submeteu ao presidente da Corte Dias Toffoli. O presidente decidiu colocar o pedido imediatamente na pauta do plenário. 

A defesa de Lula pediu nesta quarta-feira (7) ao STF liberdade ao ex-presidente até o julgamento de um habeas corpus pela Segunda Turma do tribunal. Caso a liberdade fosse negada, a defesa pedia que Lula fosse mantido preso em sala de estado maior (cela especial).

Nesta quarta, o juiz Paulo Eduardo de Almeida Sorci determinou que o ex-presidente Lula cumpra pena no presídio de Tremembé, no interior de São Paulo. Ele está preso na superitendência da PF em Curitiba, em uma sala, desde abril de 2018.

Postar um comentário

0 Comentários