Coluna O Linguarudo - Não Vou Mentir Para Agradar (14/08/2019)

14 agosto Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


Mudou o tom – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, deu uma amenizada no discurso em relação aos dez infiéis deputados que balançam, mas não caem. Disse que em nenhum momento usou a expressão expulsão e que caberá aos eleitores o julgamento final daqueles que votaram por mudanças nas regras de aposentadoria cruéis à grande massa. (Magno Martins)

Hostilizado – O ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM) participou de um evento organizado pelo Google no Teatro Guararapes. Ele foi como palestrante, mas acabou sendo hostilizado pelos presentes no evento, que o vaiaram.

Apostas do PSD para as disputas municipais - André de Paula, presidente regional do PSD, calcula que o partido deve lançar cerca de 45 candidatos a prefeito em PE em 2020. As apostas novas são ele próprio (Recife), Raffiê Delon (Caruaru) e Júlio Lossio (Petrolina). André já foi vereador, deputado estadual e secretário de estado (duas vezes). E cumpre o 5º mandato na Câmara Federal.

Nova Presidente da Compesa não terá tempo - A engenheira e nova presidente da Compesa, Manuela Marinho, é sobrinha (por parte de mãe) do ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho. Ela é tida dentro do governo como “competente”, mas até que venha conhecer os meandros da empresa em todos os municípios, como Roberto Tavares conhece, o governo Paulo Câmara terá acabado. (Rádio Vivo)

Votação da reforma da Previdência deve terminar em 2 de outubro - Os líderes de partidos do Senado definiram nesta terça-feira (13) o calendário da tramitação da proposta de reforma da Previdência. A agenda divulgada prevê que a Proposta de Emenda à Constituição seja votada no plenário em primeiro turno em 18 de setembro e, em segundo turno, no dia 2 de outubro. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) descartou que o prazo de 60 dias previsto para tramitação da PEC seja “atropelado” como tem criticado parlamentares contrários à medida. Segundo o parlamentar, a comissão especial do Senado criada para acompanhar a proposta durante a tramitação na Câmara, já atua a cerca de cinco meses na Casa.

Maia quer mudanças no projeto de lei de posse e porte de armas - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o projeto de lei que flexibiliza o porte e a posse de armas deve ser votado até a próxima semana, com mudanças ao texto enviado pelo governo. A ideia, segundo Maia, é que seja retirado da proposta o poder discricionário da Polícia Federal para a concessão da posse. Além de alterações à versão enviada pelo presidente Jair Bolsonaro, líderes da Câmara articulam incluir no projeto normas para os CACs -colecionadores, caçadores e atiradores- diferentes da do governo.

0 comentários:

Recent Comments