Relatório revela que barragens de Afogados, SJE, Serra Talhada, Iguaracy, Carnaíba e Tuparetama estão com alto risco de estouramento

30 janeiro Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


A lista atualizada de barragens que apresentam alto risco de rompimento no Brasil será atualizada até a próxima sexta-feira pela Confederação Nacional de Municípios (CNM). Em Pernambuco, de um total de 477 reconhecidas pela Agência Nacional das Águas (ANA), 63 estão estão em perigo. Todas estão classificadas como de alto dano associado, ou seja, caso rompam, trarão alta destruição ambiental ou social. Três estão em cidades da Região Metropolitana do Recife.

A Barragem de Brotas em Afogados da Ingazeira é considerada de alto risco segundo a Agência Nacional das Águas (ANA).

Em Serra Talhada, de acordo com o relatório, as barragens do Cachoeira 2, que abastece a cidade, o Jazigo, às margens da BR-232, e a barragem do Saco I, na zona rural, são consideradas de alto risco pela Agência Nacional das Águas (ANA).

O Governo Federal vai priorizar a fiscalização de 3.386 barragens classificadas como em risco alto de rompimento. Todas as 63 pernambucanas citadas nesta matéria estão incluídas. No Diário Oficial da União dessa terça-feira (29), está determinada uma avaliação rígida das estruturas das barragens e a necessidade de remover instalações que coloquem pessoas em risco.

Não há prazo definido de entrega do relatório da avaliação.

VEJA LISTA COMPLETA

No Sertão, estão na lista de barragens de alto risco Saco II (Santa Maria da Boa Vista), Algodões (Ouricuri), Bom Sucesso (Tuparetama), Saco I (Serra Talhada), Rosário (Iguaraci), Custódia (Custódia), Cachoeira II (Serra Talhada), Brotas (Afogados da Ingazeira), Arcoverde (Pedra), Boa Vista (Salgueiro), Jazigo (Serra Talhada), Arrodeio (São José do Belmonte), Caiçara (Parnamirim), São José II (São José do Egito), Parnamirim (Parnamirim), Manoel Rodrigues (Cabrobó), Almas (Petrolina), Araripina (Araripina), Juá II (Mirandiba), Chinelo (Carnaíba), Cruzeiro (São José do Belmonte) e Deserto (Petrolina).

0 comentários:

Recent Comments