Deputado Paulo Maluf é internado em hospital particular de Brasília

28 março Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


O deputado federal afastado Paulo Maluf (PP-SP) foi internado em um hospital particular da Asa Sul, em Brasília, por volta da 0h desta quarta-feira (28). Segundo o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, o parlamentar de 86 anos "teve uma complicação séria no seu quadro de saúde nesta madrugada e foi internado às pressas".

O Hospital Ortopédico e Medicina Especializada (Home) informou por volta das 11h30 que Maluf chegou com "dor forte" na lombar irradiada para a perna direita – uma ressonância identificou a compressão de nervos na coluna vertebral.

Por causa do quadro "incapacitante", explicou o Home, o deputado recebeu analgésicos "potentes", anti-inflamatórios e opióides. Ele deve ser submetido a uma infiltração com corticoite na coluna ainda nesta quarta e, por isso, o hospital não deu previsão de alta.

A Secretaria da Segurança Pública do DF informou ao G1 que o parlamentar "inicialmente, ficará internado por 24 horas para exames". Maluf está sob escolta de agentes da Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe). Ele foi encaminhado ao hospital pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) após se queixar de dores nas costas.

Como o parlamentar pode receber visitas apenas na sexta-feira, só receberá parentes e amigos no hospital se ainda estiver internado até lá. Os visitantes precisam ter cadastro e autorização emitida pela Sesipe.

'Permanente risco de óbito'

Maluf terá de ficar sob observação por ao menos três dias, disse Kakay. Segundo ele, o quadro de saúde do parlamentar é "grave, com constante e diário comprometimento, inclusive com permanente risco de óbito".

De acordo com a defesa, Maluf tem problemas cardíacos e ortopédicos, além de câncer de próstata e diabetes. Ao STF, a defesa pediu a prisão domiciliar do cliente alegando "questões humanitárias e riscos à saúde".

Maluf está preso na Complexo Penitenciário da Papuda desde 22 de dezembro, depois de decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou o cumprimento imediato da pena de 7 anos e 9 meses de prisão a que ele foi condenado por lavagem de dinheiro no período em que foi prefeito de São Paulo (SP) – entre 1993 e 1996. (G1/ Foto: Adriano Machado/Reuters)