Como descobrir o que o Facebook sabe sobre você

27 março Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


Já parou para pensar sobre tudo o que o Facebook sabe sobre você? E mais do que isso, sobre que conexões ele faz para obter informações a seu respeito?

O gigante da tecnologia está no centro de um escândalo após a revelação de que as informações de mais de 50 milhões de pessoas foram utilizadas sem o consentimento delas pela empresa americana Cambridge Analytica para fazer propaganda política nas eleições de 2016 nos Estados Unidos. O caso está sendo investigado oficialmente pela Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC, na sigla em inglês).

Na última semana, usuários do aplicativo de mensagens da rede, o Messenger, em celulares com o sistema operacional Android também afirmaram a portais americanos que o site guardou dados de suas ligações telefônicas e mensagens de texto.

Se você é um dos mais de 2 bilhões de usuários ativos da rede – cerca de 200 milhões no Brasil –, ela provavelmente sabe sua data de nascimento, seu número de telefone, sua profissão, as músicas que você ouve, os lugares onde vai e como você passa seu tempo livre.

Com esses dados, a empresa consegue vender anúncios segmentados para outras empresas - um restaurante que quer atingir mulheres de 25 a 40 anos em determinada cidade e que gostem de culinária asiática, por exemplo.

A companhia diz que coleta essa informação para deixar os anúncios mais interessantes e relevantes para você. Para isso, usa não só as informações sobre tudo o que você faz na rede – o que curte, o que decide que não quer ver, de onde você se conecta, onde faz check-in (marcar onde está) etc. – como também tudo o que você faz em outros sites e aplicativos nos quais optou por se cadastrar via seu perfil de Facebook.

Testes, jogos e outros aplicativos que você usa dentro da rede social costumam ter acesso a alguns desses dados – foi assim que a Cambridge Analytica conseguiu informações sobre milhões de usuários. Um teste de personalidade, que dizia usar os dados para fins acadêmicos, coletou-os e seu criador, o pesquisador Alexandr Kogan, os teria fornecido para que a empresa fizessem anúncios políticos nas eleições americanas.

"Quando você cria uma conta no Facebook, automaticamente concorda que ele usará seus dados para ganhar dinheiro. É o preço que você paga", disse à BBC Brasil o especialista em direito digital Thiago Tavares, da ONG Safernet.

Ao longo dos anos, a empresa vem respondendo a críticas sobre sua política de uso de dados pessoais e tornando mais fácil descobrir o que ela sabe sobre a sua vida. Mesmo assim, segundo Tavares, é importante gastar algum tempo lendo os termos de uso do site e explorando os dados que estão armazenados no seu perfil.

"Revisar as suas configurações de privacidade deve ser como fazer um check-up periódico de saúde. E isso deve ser feito em todas redes sociais. E sobretudo nos aplicativos que você acessa fora do site com o seu login do Facebook, por exemplo. É preciso reservar um tempo para isso, assim como reservamos tempo para fazer um backup dos arquivos que queremos guardar no computador", afirma.

Motivada pela pergunta, decidi fazer o download dos dados que o site tem sobre mim – opção disponibilizada no fim da seção "Geral", das configurações do Facebook – e investigar outros dados que ficam armazenados no meu perfil.

Confira algumas das informações surpreendentes que o Facebook armazena sobre você:

1. As coordenadas do seu rosto

2. Suas ligações telefônicas e mensagens de texto (se você tem Android)

3. Por onde você anda – dentro e fora da internet

4. Fotos que você 'esqueceu' no celular

5. O que você 'gostaria' de comprar

6. Todas as suas buscas

7. O que seus amigos quiserem que ele saiba

(*) Fonte: R7