Coluna Tarcizio Leite: (in) utilidade!

15 março Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


Certo Dia um garoto entrou no pomar com o objetivo e colher frutos. Logo se deparou com um belíssimo pé de laranja onde iniciou a colheita.

Após recolher os frutos, percebeu que as laranjas estavam, ainda, verdes.

Mesmo assim foi tentado a provar. A parte verde da casca não demonstrava sabor amargo, porém ao chegar na parte branca (parte mais profunda da laranja) percebeu o quanto era amargo.

Resolveu então, colocar para amadurecer. Na ânsia de consumir o fruto da laranjeira, estava sempre a provar.

Estando na fase em que chamamos de vez (iniciando o seu amadurecimento) ainda não tinha um sabor agradável.

Mas com muito zelo na sua conservação, até chegar ao momento em que a laranja estava totalmente madura e pronta para o consumo, não perdeu tempo, se deliciou chupando a laranja, fazendo suco e até o chá da casca, pois como é conhecido, ajuda no processo de digestão.

O bagaço, por se dizer que auxilia o organismo no processo de emagrecimento, também fora consumido.

Tendo colhido bastante laranja, não deu conta de consumir todos os frutos enquanto estavam maduros.

Envelhecendo, foi perdendo o sabor e a sua utilidade, pois já não mais servia para o consumo como os famosos sucos e chás.

Perdendo a sua utilidade, passou a ser indesejada e incomodar, podendo ser jogada em algum depósito onde irá apodrecer, ou aproveitado a sua semente para plantar e fazer germinar um novo fruto.

Esta laranja representa a criança, que ao nascer, todos querem colocar no colo, porém só até aí. 

Quando chora quem acalenta são os pais, quando faz cocô ou xixi, poucos se aproximam, além dos pais.

A casquinha verde da laranja, assim como o bebe limpinho e cheiroso é doce, aconchegante, gostoso, como costumam dizer, porém, passou para parte abaixo da roupa, quando está sujo, é indesejado como o branco da laranja.

Iniciando o seu amadurecimento (adolescente), ainda está um pouco azedo, pois está na fase de transição do receber para o doar, porém ainda não está pronto.

Depois de considerado adulto, como a laranja madura, já se encontra na fase da doação, do servir, estando assim pronto para o trabalho, como a laranja para o consumo. Está na fase da utilidade.

Esta é uma ótima fase, porém “perigosa” onde se imagina ter muitos amigos, amigas e muitas vezes, até uma grande família.

Como a laranja que vai passando do ponto, vai também ficando maduros demais e poucos são os que querem os escutar.

Passando assim a ser “pessoa não grata”, já não é mais bem-vindo. Vai se tornando chato, impaciente, inquieto e solitário.

É chegado o momento de conhecer os amigos, os familiares que sempre os cercaram e disseram os amar.

Assim como a laranja, será que tem alguém que queira a semente para plantar, germinar e produzir novos frutos, ou apenas será jogado nos depósitos onde irão apodrecer?

Fica aqui a oportunidade de buscar refletir sobre a (in)utilidade do ser humano.