Coluna Tarcízio Leite: Continuar ou recomeçar?

30 dezembro Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


Mais um ano se aproxima, e neste momento as pessoas sempre se dizem dispostas a fazerem um balanço do que aconteceu e programar o que está por vir.

Cada um usa os seus métodos, as suas formas para iniciar um novo ano cheio de esperança.

Desta forma, é importante avaliar e reconhecer os nossos erros e acertos para que possamos agradecer e pedir perdão a Deus.

Dentro desta perspectiva, podemos aproveitar para estabelecer metas para o ano que se aproxima.

Mas para isto, é necessário focar nas metas que estabelecemos e analisar o que realizamos, como realizamos, e se, o que não conseguimos realizar, era uma meta possível e bem definida.

Porém, com expectativa do planejamento e esperança, precisamos lembrar do principal: quais foram as nossas ações e atitudes, pois muitas vezes nos centramos em “avaliar o que as outras pessoas deixaram de fazer”, com isto perdemos o foco e continuamos com as nossas atitudes mesquinhas e incapazes de olhar para dentro de nós mesmos.

Nos limitamos a fazer balanços das atitudes das outras pessoas, e das nossas atitudes, quem fará?

Se temos o desejo de mudança enquanto ser humano, profissional, pessoa capaz de se interessar pelo outro, comecemos fazendo uma análise das nossas próprias ações, para planejando as nossas próprias metas, pois quando focamos apenas no outro é porque não temos metas e principalmente foco.

Se temos interesse no outro, somos capazes de valorizar atitudes e buscar mecanismos para realizações que proporcione benefícios para todos.

Buscando atitudes que sejam benéficas para todos, é possível planejar as nossas metas sem a mesquinhez do individualismo, pois também estamos incluídos no “todos”.

Partindo deste princípio, devemos estabelecer as nossas metas observando:

- Se elas são concretas, pois não adianta estabelecer metas genéricas tipo “vou vencer o mau humor”, pois esta é uma meta muito abrangente e difícil de ser cumprida. Melhor estabelecer que “vou descobrir o que me provoca esta contrariedade, e que me proponho a encará-la de forma mais positiva”.

- Se elas são possíveis de realizar, pois de nada adianta estabelecer metas que não há possibilidade serem alcançadas.

Estabelecida as metas, precisamos persegui-las e ter sabedoria para começar, e recomeçar quando necessário.

Por tanto, devemos elaborar um planejamento para 2018 colocando em primeiro lugar o amor, pois o amor é o alimento que quando doamos nos fortalece, enquanto o ódio é o veneno que se toma na intenção de matar o outro, no entanto quem morre é você.

Que nestes dias que nos resta de 2017, tenhamos a humildade de agradecer pelas nossas vitórias, de pedir perdão dos nossos erros, além da capacidade de arrependimento e sensibilidade para perceber que 2018 poderá ser um ano extraordinário.

Uma boa reflexão e um 2018 de muita paz e sucesso para todos!

Por Tarcízio Leite

Recent Comments