Crescer em São José do Egito: a trilha sonora poética de viver no Sertão pernambucano

11 agosto Grupo Roma Conteúdos 0 Comentários


Fotos: Rafael Martins/ Diário de PE

Diário de Pernambuco - Em São José do Egito, cidade conhecida como Berço Imortal da Poesia, tudo vira rima. E a vida do povo, desde muito cedo, ganha beleza e métrica - há um poeta em cada esquina. Nossa história é um bom exemplo, são matérias-primas, cultura e educação. Ela começa na Escola Técnica Estadual Professora Célia Siqueira, onde jovens querem fazer poesia e canção. Eles planejam ganhar a vida como engenheiros, médicos, advogados - mas a paixão pelos versos é a maior das certezas à qual têm chegado. Criaram, em 2016, o grupo Poesia Cantada: cantam e declamam músicas brasileiras de outras décadas, dizendo terem nascido na época errada.

“Nosso repertório é feito de clássicos da MPB, hits da Jovem Guarda, boleros, coisas mais antigas. Entre um trecho e outro das músicas, os meninos declamam poesia”, explica Larissa Gabrielly de Souza, 17 anos, a vocalista da banda. Ela canta desde os sete anos e começou bem cedo a fazer planos: quer ser médica e cantora – no destino, ela é quem manda. É o rosto do grupo de sete jovens do Sertão pernambucano, criado para um show de talentos da escola. Há pouco mais de dois anos, a estreia deu tão certo, que decidiram viajar Sertão afora. Articularam pequenos shows e caíram na estrada, levando os violões na sacola. Segredo (Herivelto Martins/Marino Pinto), Pense em mim (Douglas Maio/José Ribeiro/Mário Soares) e Linda flor (Henrique Vogeler/Luis Peixoto/Marques Porto) estão sempre entre as mais pedidas, seja qual for a cidade. A única composição autoral do grupo também ganha aplausos - e se chama Saudade.

Quem acompanha tudo de perto, desde o primeiro ato, é um atento gestor. Niedson Amaral, de 40 anos, chegou há dois no centro de ensino e se tornou grande incentivador. “O projeto começou despretensioso, espontâneo, mas tem mudado a perspectiva do grupo quanto ao futuro”, avalia o educador. Ele inscreve o grupo em eventos, dá carona para os shows, aconselha os meninos a continuarem a compor. “Eles se tornam seres humanos mais completos, porque a arte é fundamental para desenvolver a sensibilidade, o exercício de ver o outro”, diz o professor. Na Célia Siqueira, como em todas as escolas estaduais do município, poesia é disciplina da grade curricular. Os professores ensinam as métricas, citam poetas locais, fazem de tudo para estimular. Somente na ETE, são mais de 450 alunos pondo a tal veia poética para trabalhar.

Parentes e vizinhos também entram na roda. Aqui, todo mundo se chama de “poeta”, dizem que é costume secular que não sai de moda. Veja Gabriel Guilherme de Souza, 17, tocador de cajón da banda e filho de artista popular. O pai, Chiquinho do Egito, figura conhecida no município, foi quem lhe ensinou a rimar. “A poesia é uma tradição, isso une as pessoas aqui. Quando entrei no Poesia Cantada, fizemos vaquinha para comprar meu cajón”, lembra o rapaz. “Fomos para a beira da estrada cobrar 'pedágio', todo mundo ajudou”, completa, como quem diz e também faz. Ele quer ser psicólogo, mas não pensa em deixar de tocar. A saga do cajón, ele assegura, serviu para lhe ensinar: a poesia é força poderosa nessas bandas que não se pode ignorar.

Completam a tal banda Péryclys Pereira da Silva, 19, e Rodrigo Veras da Silva, 17, de quem não é irmão. Também Edvaldo da Silva Pereira Filho, 16, Mikael da Silva de Melo, 17, e Everson Heleno Aguiar, 17, são dos poetas a roubar a cena no Sertão – na tal banda, juntam-se aos vocais de Larissa e ao cajón de Guilherme, que já ganharam apresentação. Péryclys e Rodrigo, os trovadores do grupo, são quem improvisam os versos conforme o tema da canção. “Tentamos incentivar os mais novos a continuarem, criarem coisas parecidas que mantenham a poesia viva”, diz Péryclys, junto aos planos de gravar um disco até o próximo São João. 

Concluída a escola técnica, os meninos querem fazer faculdade, vão cada um pra uma cidade, sabem do risco de se separar. Larissa quer cursar medicina, Rodrigo, fisioterapia e Péryclys quer advogar. O sonho era viver de rima, mas se ser adulto e sonhar nem sempre combina, eles pretendem conciliar. “A música e a poesia que a gente faz nem sempre têm espaço no mercado, sobretudo fora de São José do Egito”, lamenta a menina que só quer cantar. “Hoje toca muito sertanejo, é muito difícil pra quem gosta de outras coisas”, pondera Larissa na escola, onde todo fim de semana vai ensaiar. Ela canta, sonha e estuda, lhe disseram que a poesia tudo muda e pode a sua sorte virar. Essa reportagem é para Larissa - e quem faz poesia com ela - nunca desanimar: a vida dá muitas voltas, é preciso colocar os sonhos nas costas e por eles querer lutar. Mas no fim tudo se ajeita, o percurso é o que mais se aproveita, só não vale deixar de rimar.