Social Icons

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Grupo pró-intervenção militar invade plenário da Câmara e sessão é suspensa

Um grupo de manifestantes invadiu, na tarde desta quarta-feira, o plenário da Câmara dos Deputados. O grupo de cerca de 40 pessoas quebrou a porta de vidro da entrada principal do plenário e entrou em confronto com a Polícia Legislativa, deixando vários feridos. No momento da invasão, o vice-presidente da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), presidia a sessão, com poucos deputados presentes, mas teve que encerrar os trabalhos diante da violência dos manifestantes, que chegaram a subir na tribuna e dar chutes na Mesa onde fica o presidente da Casa, além de pularem em cima de policiais.

Os manifestantes, que negam qualquer filiação partidária, gritaram palavras de ordem contra a corrupção e a favor de uma intervenção militar no país, como "general aqui". O grupo também cantou o Hino Nacional durante o protesto. Os cerca de 50 manifestantes subiram à mesa da presidência e se recusavam a sair do local.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que estava no plenário no momento da confusão, disse que os manifestantes atropelaram policiais da Casa e seguiram direto para a Mesa da Câmara. Ele disse que correu em direção a Maranhão, que presidia a sessão, para proteger a integridade do deputado, que não ficou ferido.

A estratégia da segurança para tentar retomar a normalidade é desligar o ar condicionado do plenário, esvaziar o local de deputados e diminuir a luz, para forçar a saída do grupo. Muito exaltados, eles pedem não só a presença de um general como a presença do presidente Michel Temer.

Alguns dos mais agressivos dizem que estão em posse de armas brancas e há até a possibilidade de um dos manifestantes estar portando uma arma de fogo.

Integrantes do grupo, segundo Delgado, disseram que não deixariam o plenário de forma pacífica:

- Alguns falaram que só saem daqui mortos. Eles estão em pé em volta da Mesa e pacificamente não vão sair, mas a gente tem que tentar retomar a normalidade - disse o parlamentar.(O Globo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário