Social Icons

terça-feira, 22 de março de 2016

"O que está em curso é um golpe contra a democracia. Eu jamais renunciarei.", diz presidente Dilma

A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou, hoje, que não renunciará ao cargo e que o processo de impeachment em curso no Congresso é uma tentativa de golpe porque não foi cometido crime de responsabilidade. "Não cabem meias palavras. O que está em curso é um golpe contra a democracia. Eu jamais renunciarei."

Dilma disse que a tentativa de derrubá-la é tramada nos "porões da baixa política". "Eu preferia não viver esse momento, mas que fique claro que me sobram energia, disposição e respeito à democracia para enfrentar a conjuração que ameaça a estabilidade democrática do país."

As afirmações foram feitas em discurso no Palácio do Planalto, em Brasília, durante encontro com juristas que criticaram o processo de impeachment e a divulgação de gravações telefônicas da presidente interceptadas pela operação Lava Jato.

"Todos sabemos que nossa constituição prevê impeachment como instrumento para afastar o presidente desde que haja crime de responsabilidade claramente demonstrado. Na ausência de crime claramente comprovado, o afastamento torna-se ele próprio um crime contra a democracia", afirmou Dilma.

A principal acusação contra Dilma no processo de impeachment é que o governo teria praticado manobras contábeis chamadas de pedalas fiscais. A oposição estuda apresentar outro pedido de impeachment com base na delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), que a presidente tentou interferir nas investigações da operação Lava Jato.

"Não cometi nenhum crime previsto na Constituição para justificar a interrupção de meu mandato. Condenar alguém por um crime que não cometeu é a maior violência que se pode cometer contra qualquer pessoa. Já fui vítima de injustiça durante a ditadura e lutarei para não ser vítima de novo em plena na democracia."

Para Dilma, as ações de seus opositores ameaçam a democracia e podem representar um golpe. "Pode-se descrever um golpe de Estado com muitos nomes, mas ele sempre será o que é, uma ruptura. Não importa se a arma do golpe é um fuzil, uma vingança ou a vontade de alguns de chegar mais rápido ao poder." (UOL)

Nenhum comentário:

Postar um comentário